domingo, 30 de setembro de 2012

MÁRIO DE CARVALHO




Um dos melhores escritores portugueses da actualidade é seguramente o Mário de Carvalho.

Livros como "Casos do Beco das Sardinheiras", "A inaudita guerra da Avenida Gago Coutinho", "A paixão do Conde de Fróis", "Contos vagabundos", "E se trocássemos umas ideias sobre o assunto" ou esse extraordinário romance que é "Um Deus passeando pela brisa da tarde" são referências fundamentais do bem escrever português.

A isso se junta uma ironia absolutamente deliciosa e uma ternura por vezes melancólica e tão portuguesa como só se encontra em poucos escritores.

Pois o Mário esteve presente em mais uma das sessões da Tertúlia Sintrense, desta vez no simpático restaurante A Sopa da Avó.

A nós juntou-se o Miguel Real, grande amigo, excelente escritor também e especialista na história crítica da literatura portuguesa, a mais recente

A conversa correu ligeira e divertida. Os garfos tiveram gostoso trabalho.

Foi bom.





2 comentários:

tb disse...

Concordo consigo. Ler Mário de Carvalho é passear por um imaginário real saboreando as palavras como quem traga puro mel...
Obrigada por o ter trazido aqui.
Abraço

Juvenal disse...


Um escritor de boa língua com preciosas elaborações romanescas.

Juvenal Nunes