quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

COMO O QUE CONSOME ALENTA

Outra religiosa nascida já em finais do séc XVII, Soror Madalena da Glória, uma das 3 grandes poetisas do séc. XVII com Soror Violante do Céu e Soror Maria do Céu.

Soror Madalena da Glória era também pintora, o que levou Natália Correia a acentuar que a pintura, bastante cultivada neste período por mulheres artistas, hoje ignoradas, teve o seu expoente feminino em Josefa de Óbidos.


(Pintura de Josefa de Óbidos)

SOROR MADALENA DA GLÓRIA (1672- data da morte desconhecida)


MOTE E GLOSA



Como dá vida o que mata,
Como o que consome, alenta.

Já que morro, ingrata sorte,
Às mãos da tua porfia,
Deixa-me inquirir um dia
A causa da minha morte:
Se amor com impulso forte
Me rendeu, como me aparta
Do bem, que na alma retrata
Minha doce saudade,
Que em lágrimas persuade,
Como dá vida o que mata.

Nesta aflição importuna,
Em que meu coração passa,
Tudo é rigor que trespassa,
Nada golpe que desuna:
Que infausta a minha fortuna
Um bem, que me representa,
Cruel da vista me ausenta,
E não sabe a minha dor
Definir em tal rigor
Como o que consome, alenta.

2 comentários:

Paula Salvador disse...

Feliz Natal e um excelente Ano Novo!!!

JOSÉ FANHA disse...

Bom Natal, Paula e muito obrigado pela sua mensagem. Beijinho