domingo, 23 de dezembro de 2012

CARIDADE



Há demasiada gente a dar opiniões neste país. Profissionais da opinião. A televisão está cheioa deles. Os jornais também. Gente demasiadas vezes pouco séria. Porque faz da opinião uma arma de arremesso, um instrumento de poder, uma música de baile pacóvio.

Alguns dos opinistas chamam-se críticos ou especialistas. São normalmente os piores. Sobretudo os especialistas em economia. Falam do alto de um imenso saber que não têm. Usam uma verborreia especializada e aparentemente esotérica. Estão sempre a enganar-se redondamente e é muito raro retratarem-se.

Mas há excepções. Há pessoas que pensam. Pensam! Coisa rara e porventura demorada neste tempo dos clicks instantâneos.

Uma dessas pessoas é a Ana Cristina Leonardo que assina uma coluna ("Isto anda tudo ligado") no suplemento Actual do Expresso ao sábado.

Gosto quase sempre do que ela escreve. Pelo que escreve. E pela maneira como escreve. Sem medos. Sem disfarces. Sem fazer o jeito a ninguém. Prosa dura e divertida. Como deve ser.

Por causa dela compro o Expresso ou vou ler a sua coluna à surrelfa na bancada dos jornais. Porque quanto ao resto... Já estou pouco interessado em notícias ou naquilo a que se chamam notícias.

Da coluna dela de dia 15 e, já que é quase Natal, respigo duas citações. A primeira do D. Helder Câmara (Arcebispo de Olinda e Recife):

"Quando alimentei os pobres chamaram-me santo mas quando perguntei porque há gente pobre chamaram-me comunista."

Outra citação, do escritor uruguaio Eduardo Galeano:

"Eu não acredito em caridade. Eu acredito em solidariedade. Caridade é tão vertical, vai de cima para baixo. Solidariedade é horizontal"

E aproveito para acrescentar um verso de uma ironia articularmente áspera do poema "DIA DE NATAL" de António Gedeão:

"Hoje é dia de pensar nos outros - coitadinhos - nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria
(...)"

Já agora, um bom Natalsolidário!


(Ambas as reproduções são de quadros de Pablo Picasso)