domingo, 9 de janeiro de 2011

NÓS SOMOS TEIMOSOS



ABRIL vai ficando mais longe. Crescemos muito mas também houve muito que ficou por cumprir.

A democracia que vivemos não é bem aquela que alguns de nós sonhámos.

Instrumentos antigos com histórias gloriosas como, por exemplo, os sindicatos parecem ter perdido a sua função.

Os partidos transformaram-se em agências de empregos, centros de jogo de interesses particulares e pouco mais.

Os interesses nacionais têm-se apagado. O neo-liberalismo instaurou um estado de coisas muito feio.

Mas é claro que não vamos desistir.

O mundo tem evoluído com uma mecha do caraças... Parece que as grandes lutas transformaram-se numa multiplicidade de pequenas lutas. Pelo ambiente, pela qualidade de vida e do ensino, pela saúde, pela cultura, pelo respeito e pela dignidade da vida humana, pela verdade, pela informação... Coisas pequenas mas que todas juntas...

Vás tu descansado, Vítor. Nós somos teimosos.

5 comentários:

Maria disse...

Bonito adeus. Somos teimosos, sim! Por isso vamos continuar.

Beijo.

Bruxinha disse...

ÚLTIMO BRINDE

"Queiramos ou não
Temos apenas três alternativas:
O ontem, o presente e o amanhã.

E nem sequer três
Porque como disse o filósofo
O ontem é ontem
Apenas nos pertence como recordação:
À rosa desfolhada
Não se podem tirar mais pétalas.

São apenas duas
As cartas por jogar:
O presente e o dia de amanhã.

E nem sequer duas
Porque é um facto bem estabelecido
Que o presente não existe
Senão na medida em que se faz passado
E já passou…
como a juventude.

Bem feitas as contas
Resta-nos apenas o amanhã:
Ergo o meu copo
Por esse dia que jamais chega
Mas que é o único
De que dispomos realmente."

Nicanor Parra, de Canciones Rusas (1967)Versão de HMBF

A Biblioteca Escolar disse...

Não digo Adeus mas sim um ATÉ JÁ.
Anúncio: TEIMOSOS PRECISAMOS - Entrada imediata ao serviço.
Penso que anda muita gente neste País sem saber de que teimosos aqui se fala!!!
Será que andam distraídos?

Maria José Vitorino disse...

Muito teimosos. Muitos, muitos mais que o que se propaga por aí nas vozes espelhos negros de nós mesmos. Lembrando Vítor Alves, havemos de saber fazer das saudades firmezas,das crises ousadias, pela outra face do amanhã: o depois de amanhã.

Jaime A. disse...

Não vou ser, sequer, original, mas fica aqui o desabafo: por que razão têm aberto, quase sempre ultimamente, os telejornais com as notícias de um homicídio e tão pouca cobertura deram à morte de um dos homens que permitiram que hoje houvesse liberdade de imprensa?
Triste pátria que tais jornalistas tem...