domingo, 2 de dezembro de 2007

A POESIA E OS MENINOS

Trabalhar a poesia com meninos, ajudá-los a descobrir que podem habitar outra dimensão das palavras, pode ser extremamente gratificante.

No entanto, por vezes, a poesia é confundida com a rima ou com a quadra, ou seja, com a forma. E a forma pode ser e pode não ser o caminho para chegar à poesia. A forma pode até ser inimiga da poesia. Pode espartilhá-la e esvaziá-la. Mas também lhe pode dar uma ressonância própria e encantadora. Depende da mão que a escreve e da voz que a torna em ouro.

Numa sala da Escola EB 1 da Venda do Pinheiro, meninos houve que me disseram que a poesia era o maravilhoso e o fantástico. Aí temos um caminho para a poesia. Também não será o único. Há outros que passam pela descoberta da largueza que as palavras nos concedem, pelo prazer de virar o mundo ao contrário através da força insurrecta que o verso tem, pelo diálogo com as dores e as alegrias guardadas na memória, e tantos outros caminhos, todos eles pequenos ou grandes rios
do grande mar da poesia.

Comecei a falar de poesia com os meninos da Escola EB1 da Av. heróis do Ultramar de Évora. A professora Rita Carrapato continuou. estão aqui alguns dos resultados.

1 comentário:

rs disse...

Desmistificámos receios no que toca à poesia e, pondo as palavras às costas, seguimos por sendas estreitas que, aos poucos e poucos se foram alargando. Aí, as palavras começaram a ganhar novos ritmos, novas belezas, novos sentidos, novas formas de expressão, passando a convidar-nos para a casa da poesia, onde passámos a entrar muitas vezes.
Um abraço de profundo agradecimento por esse desafio apaixonante que, um dia, fez chegar à nossa sala de aula.

Rita Carrapato