segunda-feira, 21 de setembro de 2009

DOIS ANOS



(Há 15 dias, na Praia da Vitória, 1º Encontro Nacional de Dezedores de Poesia)

Faz hoje dois anos que me meti neta aventura de fazer e alimentar um blog. Não esperava que durasse tanto. Não esperava que também aqui pudesse cumprir de forma tão continuada algumas das minhas preocupações: prestigiar os meus amigos, divulgar pequenas memórias,histórias diversas, poesia muita, falar de livros, anunciar um ou outro acontecimento do mundo da cultura, lembrar as bibliotecas, os meninos e os professores das escolas por onde vou passando.

Este é um espaço de afectos e tenho recebido muito afecto dos que aqui vão passando. E são tantos. E tão doces, sérios e emocionantes os comentários deixados...!

Há uma média de 60 visitantes por dia. Já lá vão mais de 42.000! É fantástico. Agradeço a todos este carinho de silêncios e palavras que me vai acompanhando dia a dia.

Sei que há blogs que têm centenas de milhar ou milhões de visitantes. Ficaria desconfiado se isso me acontecesse. Não ando aqui a mostrar a perna, não faço propaganda de nenhum partido dos grandes (Nem dos pequenos!Propaganda dessa, viste-a!), não discuto futebol neste espaço, não repito banalidades daquelas que à dúzia é mais barato, não dou brindes...

Faço um serviço público, se calhar, como me dizia tão simpaticamente o Eufrázio Filipe. Uso este espaço para um trabalho de cultura e cidadania. E falo de mim, caramba, que já vou tendo uma vida cheia de coisas divertidas (e outras nem por isso) e, não sendo especialmente vaidoso, gosto de partilhar as memórias dessa vida com quem as possa aproveitar.

Para brindar com os amigos desta casa chamada QUERIDAS BIBLIOTECAS aqui vai um poema inédito justamente sobre os amigos que se revêem na viragem madura da vida.


COMPANHEIROS DA JUVENTUDE


Correram juntos
respiraram desceram a correr
as ruas e calçadas da infância
ousaram pela primeira vez
inesperadas fronteiras
tocaram as promessas do mistério
e arderam juntos.

Partiram
em todas as direcções
sem réstia de penumbra no olhar.

Conheceram cidades
atravessaram calmias e temporais
dormiram á sombra de pequenos búzios
ao relento do amor.

Cavalgaram incêndios e utopias.
Beberam fel nas esquinas do silêncio.
Tiveram filhos.
Despediram-se de pai e mãe.
Viram chegar as rugas e aprenderam
a roubar às uvas
a música da terra.

Anos depois
juntam-se de novo
em torno de um fio de melancolia.
O riso tornou-se mais medido.
Os gestos indecisos.
Os dentes distantes
da antiga avidez.

Compartilham agora
os arrepios nos ossos
e um eco de viagens
e naufrágios no funil do tempo.
Recordam torres batalhas e fogueiras.
Declinam nebulosas.
Querem ouvir um cântico de espuma
na raiz da palavra. Perguntam:
por onde foste? Onde estás? Que caminhos
rasgaram os teus pés?
Diz-me por favor que viraste costas
ao comércio mesquinho das cidades
e que deixaste uma promessa de rosas
no rasto dos teus passos.

Medem-se. Abraçam-se. Teimosos
continuam a causar pequenas tempestades
em busca da resposta
para a única pergunta
que ninguém sabe fazer.


(Inédito do livro a publicar "Cancioneiro Feliz")

13 comentários:

Maria disse...

De repente lembrei-me dos amigos de alex...
Gostei particularmente da expressão 'carinho de silêncios e palavras'. É isso que se sente...

Um abraço
(e que venham muitos mais 2 anos)

design absoluto disse...

Parabéns pelos dois anos (que venham muitos) e obrigado por este serviço público

Isabel Preto disse...

E realmente está de parabéns! Tenho aprendido muito aqui, tenho-me deliciado com poesias e com carinho que se nota pelo trabalho dos professores.
Obrigada.

viajantes disse...

obrigada Fanha
abraço

viajantes disse...

obrigada Fanha
abraço

Licínia Quitério disse...

Obrigada, José Fanha, pela gentileza e pelos ensinamentos.
Longa vida ao "Queridas Bibliotecas"!

Rita Carrapato disse...

Um belo poema em que muitos de nós nos revemos.
Parabéns pelos 2 anos de Queridas Bibliotecas. E que venham muitos mais, até sentir prazer em partilhar connosco essas suas memórias e ensinamentos.

Margarida Graça disse...

Escolhi bem a hora: estava um pouco baça, saturada até, de sentir o quanto é difícil ensinar onde ninguém quer aprender, com a tese por acabar e diagnósticos por analisar e, no meio de meio desalento e desejo de alento, a precisar de inspiração, zás... veio-me esta casa à ideia. Nem precisei de bater à porta e logo me senti lá dentro.

Parabéns e muitos mais anos a festejarmos com o carinho do dono da casa.

Leonor disse...

Parabéns! Obrigada por este blogue e um grande beijinho.

Júlio Pêgo disse...

Dois anos de divulgação, reflexão e crítica, em prol da cultura, divulgando poetas conhecidos e desconhecidos.Obrigado.

mariabesuga disse...

Pois eu que passo por aqui de quando em vez... sem pressas... descontraída... apeteço-lhe, José Fanha, dias felizes e que continue a dar vida ao entusiasmo com que nos oferece a esperança e a alegria...

Um abraço de palavras e de sentidos e do meu respeito.

Caçadora de Emoções disse...

Zé Fanha,
É realmente um privilégio imenso viajar pelas "Queridas Bibliotecas", e ler/reler cada emoção que transmite.
Espero que se sigam muitos e muitos aniversários após este.
Estarei sempre por perto...
Parabéns!

Abraços mil com Amizade e um sorriso :)

zmsantos disse...

Atrasado, mas não esquecido.
Parabéns Zé e sobretudo, parabéns a nós que temos o privilégio de aqui nos (te) encontrar.

Abraço.