terça-feira, 20 de outubro de 2009

AS PROFISSÕES INVISÍVEIS



Falo hoje dos livros e dos que trabalham para os produzir e que raramente são referidos. Os que têm profissões invisíveis. Ou que se tornam invisíveis para o público.

Os que faziam o papel, os que fundiam os tipos de chumbo, os tipógrafos, os compositores, os revisores. Entre os primeiros houve grandes artistas capazes de ir à procura do tipo, da letra, do efeite único. Hoje esse trabalho é feito pelo computador. Os revisores ficaram. São fundamentais para a qualidade de um livro e quanto melhor é o seu trabalho mesnos se vê.

Podíamos citar outros: os que leem e escolhem os livros que vêm do estrangeiro, os que adaptam os textos das bandas desenhadas, os tradutores, os capistas... E devo estar a esquecer-me de outros tantos que merecem também o nosso reconhecimento e a nossa ternura.

É preciso lembrar que todos eles, os que têm estas profissões invisíveis, trabalham para nos dar esse voo de ave, esse garante da liberdade de pensamento que é o livro.

Não fora o livro tão perigoso e não teria havdo e continua a haver uma terrível sanha de todos os ditadores para o destruir. ""A história da destruição dos livros", recentemente saída, e escrita pelo venezuelano Fernando Báez (Ed. Texto) fala-nos bem desse rio negro do obscurantismo.

2 comentários:

Licínia Quitério disse...

Há que homenageá-los, sim senhor, a esses obreiros anónimos que tornam possível a (sobre)vivência dos "perigosíssimos" livros...
Caiu-me no goto, quando falas dos revisores, a frase "quanto melhor é o seu trabalho menos se vê".

Um beijo.

Doroteia disse...

Sou o Daniel um aluno do Externato de Penafirme onde já esteve no ano paasado e queria pergutar se podia faz-lhe uma entrevista?
O meu mail é Daniel-cris@hotmail.com