sábado, 17 de janeiro de 2009

ARY 25 ANOS



O Ary da ternura.


JOSÉ CARLOS ARY DOS SANTOS (1937 - 1984)




AUTO-RETRATO

Poeta é certo mas de cetineta
fulgurante de mais para alguns olhos
bom artesão na arte da proveta
narciso de lombardas e repolhos.

Cozido à portuguesa mais as carnes
suculentas da auto-importância
com toicinho e talento ambas partes
do meu caldo entornado na infância.

Nos olhos uma folha de hortelã
que é verde como a esperança que amanhã
amanheça de vez a desventura.

Poeta de combate disparate
palavrão de machão no escaparate
porém morrendo aos poucos de ternura.

2 comentários:

Maria disse...

Em curiosa sintonia, é este mesmo que vai sair lá, às zero horas...
... e também a voz, noutro...

Beijos

Vekiki disse...

Também saíu no meu blogue, à 1/2 noite, com Cavalo à Solta na voz do Fernando Tordo.
Bjs