sexta-feira, 11 de junho de 2010

EB23 de AMARANTE



Esta é talvez a maior recompensa que um poeta pode ter: ver os seus versos transbordarem para os muros e as paredes e passarem a fazer parte do quotidiano de quem por eles passa.

Em tempos, um poema meu esteve nas paredes de um Centro de Saúde no Alentejo.~

Agora, numa escola do Minho.

Se calhar é o que dá ser português aqui...

Não tenho mpalavras para agradecer aos professores desta escola e em especial à professora Leonor.

2 comentários:

Júlio Pêgo disse...

Quando os versos dos livros se soltam e os poemas voam e pousam em qualquer suporte,o poeta é um viajante, uma fonte que nos mata a sede e alimenta a alma.

Inquilina Jardim Amoreira disse...

Frases maravilhosas e profundamente verdadeiras.Merecedoras da homenagem prestada.Obrigada!