sábado, 9 de agosto de 2008

FERNANDO LEMOS (1926)



Fernando Lemos

“Fui estudante, serralheiro, marceneiro, estofador, impressor de litografia, desenhador, publicitário, professor, pintor, fotógrafo, tocador de gaita, emigrante, exilado, director de museu, assessor de ministros, pesquisador, jornalista, poeta, júri de concursos, conselheiro de pinacotecas, comissário de eventos internacionais, designer de feiras industriais, cenógrafo, pai de filhos, bolseiro, e tenho duas pátrias, uma que me fez e outra que ajudo a fazer. Como se vê, sou mais um português à procura de coisa melhor. “

Fernando Lemos nasceu em Lisboa, em 1926. Actualmente, reside em São Paulo, no Brasil. Frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e o curso livre da Sociedade Nacional de Belas-Artes.

Com um percurso profissional ligado às artes gráficas e à publicidade, Fernando Lemos circula por muitos territórios da arte ao longo do seu percurso. A sua obra multifacetada estende-se ao domínio da pintura, do desenho, da ilustração e à fotografia, campo que alcançou maior visibilidade pública nos últimos anos.

A ligação de Lemos à fotografia tem lugar na passagem da década de 40 para a de 50, no período em que desenvolve a sua actividade artística junto do Grupo Surrealista de Lisboa.

Em 1952, não obstante a qualidade do seu trabalho fotográfico, Fernando Lemos abandona a fotografia. No ano seguinte, emigra para o Brasil, tendo aí prosseguido a sua produção no domínio do design gráfico, do desenho e da pintura, e realizado diversas exposições individuais e colectivas.

A sua poesia iconoclasta e surrealizante dá notícia de uma admirável voz livre e encantadoramente selvagem.

5 comentários:

Mar Arável disse...

Agradeço

foi belo ler-te

dona tela disse...

O Verão tem destas coisas...

Caçadora de Emoções disse...

Só para lhe deixar um grande sorriso :)

samuel disse...

Vou passando por aqui várias vezes, saboreando o que há na mesa... e saio sem me manifestar, mas esta frase "Como se vê, sou mais um português à procura de coisa melhor" dita depois de desfiar um rosário interminável de profissões e actividades... é irresistível!

Grande abraço

mariam disse...

obrigada por todos estes(as) mestres da escrita, que com meestria nos ensina.

deixo-lhe um abraço.
fique bem.

o meu "dolce fare niente" começa hoje ~~~~
um grande sorriso :)

mariam