sexta-feira, 30 de maio de 2008

COMPETÊNCIA E COMPETÊNCIAS

Há quase 30 anos que me tornei amigo de Álvaro Laborinho Lúcio. Vários foram os laços que teceram esta amizade e um deles foi certamente a convicção profunda e comum de que sem arte não há Homem e de que o futuro só poderá nascer através da arte e da cidadania, ou seja, do reconhecimento da diversidade, da complexidade e da alteridade.

A inteligência e o olhar arguto deste homem tranquilo e intenso são um desafio permanente ás nossas convicções.

Estive ontem a ouvi-lo no lançamento deste livrinho pequeno e notável. "EDUCAÇÃO ARTE E CIDADANIA". Como de costume fiquei encantado e senti-me profundamente levado a questionar-me sobre um ror de motivos relacionados com o ensino e a forma como o vemos hoje em dia.

Laborinho Lúcio falou de coisas simples. A liberdade, os direitos de cada um, os direitos dos outros. Coisas que muitas vezes só olhamos de um dos lados.

No final da sessão, traçou dois grandes caminhos para o ensino, o ensino para a competência, para o saber fazer, por um lado, e por outro, o ensino para a alteridade, a cidadania, o saber ser, onde, sem ingnorar o saber fazer, a arte e as humanidades terão um papel determinante e onde é fundamental aprender a pensar e a escolher.

Laborinho deixou-nos com uma provocação final apontando para o caso de maior competência conhecido nos últimos anos: a destruição das torres gémeas. O objectivo foi plenamente atingido. Mas será que os que o executaram tinham desenvolvido as outras competências, o pensar e o escolher? E que tinham desenvolvido uma relação construtiva com o conceito de alteridade?

4 comentários:

Margarida disse...

A minha dúvida é como ensinar quem não quer aprender e como fazer respeitar quem aprendeu a desrespeitar, nomeadamente através do discurso dos governantes que temos?... A minha dúvida também é para quem governam os que elegemos? E, tenho ainda outra dúvida: quem deu autoridade aos governantes que temos para serem autoritários e arrogantes para aqueles a quem devem prestar serviços?

Tiago Carvalho disse...

Irei já comprar o livro, são esses os valores que acredito. E acho que temos que fundamentar o melhor possÍvel esses valores porque existe uma barbárie crescente que pode levar à chegada de um novo "Hitler", mais light e mais perigoso - ainda por cima estamos a viver uma crise económica global que vai ter consequências.

mariam disse...

Boa noite

obrigada p`la divulgação (ficará na minha já grande lista de prioridades)

o Sr. é "especial" e é especial a sua forma de o descrever...
"traçou dois grandes caminhos para o ensino, o ensino para a competência, para o saber fazer, por um lado, e por outro, o ensino para a alteridade, a cidadania, o saber ser, onde, sem ingnorar o saber fazer, a arte e as humanidades terão um papel determinante e onde é fundamental aprender a pensar e a escolher."

bom fim-de-semana
um semana em "alta"

e um sorriso :)

Caçadora de Emoções disse...

Parece-me um livro com interesse. Obrigada por ter passado a informação.
Ficou registada!..

Beijos,